Teste

Daniel Luzz —  10/05/2014 — Leave a comment

Isso é um teste.

Soylent é um composto nutritivo desenvolvido com a intenção de substituir todas as necessidades alimentícias do ser humano. [Wikipédia]

Soylent foi desenvolvido pelo engenheiro de software Rob Rhinehart, iniciando em 2013 para economizar dinheiro, reduzir tempo de preparação da comida, e garantir a melhor nutrição.

Em maio de 2013, Rhinehart iniciou uma campanha de crowdfunding para produzir Soylent; ele recebeu os recursos em menos de três horas.

A dieta ainda não foi testada cientificamente.

Mas e você, o que acha disso? Será que estamos tentando “ganhar” tanto tempo para o quê? Do jeito que estamos indo vai sobrar muito tempo para fazermos quase nada. O que você acha?

Você vai comer essa?

Excelente artigo sobre como o visual do iOS7 destoa do Mac OS. E a agora que cerca de 80% de todos os dispositivos iOS estão rodando iOS7, esse visual tem sido perfeito em se tratando de branding para a Apple? Sim e não.

Leia o artigo em inglês aqui ou com a ajuda do Google Translate aqui.

Encontrei esse texto no Blog do Buffer e o elegi como meu ideal para 2014. Eu sei que será uma luta desde quando terminar de escrever essa tradução livre [mas bem livre mesmo] porque já será mais do que 22h. Você vai entender e espero que goste.

1. Acordar cedo

Através da experimentação, descobri que acordar cedo todos os dias me faz sentir mais revigorado e feliz. Isso me faz começar bem o dia e quase sempre me leva a um grande restante de dia. Me faz estar mais focado.

Acordar cedo todos os dias exige disciplina, especialmente sobre o tempo de dormir. Agora, eu tenho um ritual de me preparar para dormir àa 21:30 e vou dormir por volta das 22h. Assim, tenho acordado às 6h revigorado.

2. Exercício diário

“Descobrimos que as pessoas que se exercitam fisicamente regularmente têm sentimentos mais agradáveis do que as pessoas que são menos ativos” – Amanda Hyde

Nos últimos três anos, eu o exercício físico quase que na brincadeira. para que isso se torne algo que eu faço todos os dias úteis, sem falhar. No começo eu não tinha idéia do que fazer na academia, então eu perguntei ao meu irmão, que é um personal trainer. Então eu fui algumas vezes com um bom amigo e logo viciei.

Com o tempo, isso se tornou um ritual diário tão forte que me sinto atraído em direção a ela, e ao fazê-lo de forma consistente me sinto entusiasmado a assumir os desafios do dia. Sem falar no sono que é fica bem melhor.

Em breve, o post continua…

Mas aqui tem tudo em inglês.

A marca Method of Action lançou esse joguinho divertido sobre o shape de uma letra.

post22

Clique aqui pra saber como jogar. Veja como é bacana.

Lembro bem da primeira vez que um professor me disse: “está faltando área de respiro nessa revista”. O respiro faz parte da nossa vida, fala, leitura, escrita, e portanto, do layout também.

Área de respiro é o mesmo que um espaço em “branco”. Mas não pense simplesmente em um bloco de espaço branco, em vez disso, pense mais como espaço estrutural “vazio”, onde há elementos extras, firulas ou outras peças diagramadas para seu projeto.

Essencialmente, o espaço em branco é o espaço “não utilizado”, embora pareça um termo ruim para ele. Mesmo o espaço em branco parecendo sem uso, ele realmente serve a um propósito muito útil em seus projetos e, de fato, trabalha muito duro. Espaços em branco são valiosos para qualquer projeto, permitindo que o seu projeto respire e ofereça maior equilíbrio a todo ele.

Afinal, o que define a presença de um bloco, se não o espaço em branco em torno dele?!
Continue Reading…

Um designer de Londres chamado Stephen Cheetham criou uma série de posters entitulada ‘Nike Decades’. O conjunto de ilustrações inclui um par de tênis por ano desde os anos 1970s até os anos 2000s. Confiram abaixo e mais abaixo o link para a série completa.

nike_70s

nike_01

nike_80s

nike_02

nike_90s

nike_03

nike_00s

nike_04

Veja tudo no Flickr do cara.

CommonwealthBank, na Australia, Barclays, no Reino Unido, Chase e Citibank, nos Estados Unidos e agora Itaú, no Brasil são os únicos bancos em todo o mundo que dispõe de um aplicativo móvel no qual se pode fazer transferências com a mesma facilidade que se envia uma mensagem no whatsapp.

O aplicativo que o Itaú acaba de lançar, um dos maiores bancos brasileiros, é compatível tanto com android como com iphone. Seu nome é Tokpag, aplicativo que se associa a um número de telefone e conta corrente para, depois de informar a senha correspondente, poder enviar dinheiro a qualquer outro usuário do mesmo banco que também tenha o aplicativo instalado.

Só é preciso selecionar o usuário desejado, indicar a quantidade e clicar em enviar, sem mais burocracia, seguindo a filosofia dos milhares de aplicativos de mensagens instantâneas que estão invadindo os markets oficiais das companhias.

Segundo comentam em g1 os responsáveis pelo sistema, a segurança é semelhante a utilizada em seu Internet Bank. A senha utilizada é a mesma, e os cuidados que tem que ter são semelhantes. O único coisa a fazer é assinalar a funcionalidade mais utilizada de seu sistema (a transferência) e oferecer um aplicativo que ajude aos usuários a pagar e cobrar de forma simples e prática.

Pode dar uma olhada em suas versões Android (aqui) e iOS (aqui).

Fonte

1- Atualizado: é o usuário que está procurando informações, novidades e notícias. Este é o maior grupo presente no Twitter, sendo que seus membros além de procurarem sobre os assuntos, muitas vezes compartilham o que foi encontrado.

2- Workaholic: é aquele que usa a rede social em torno do seu trabalho, seja acompanhando o dia a dia de pessoas influentes em sua área, divulgar seus trabalhos ou melhorar profissionalmente.

3- Comentarista: em geral, é o usuário que utiliza a rede social como uma segunda tela de televisão. Aquele que se encaixa neste perfil está sempre conectado no Twitter enquanto assiste a um programa ou evento, divulgando informações e comentando sobre o assunto.

4- Fã: esse perfil é relativo àqueles que usam a rede para se relacionar ou homenagear pessoas famosas. Além de serem os maiores divulgadores de informações de seus ídolos, esses usuários também chegam a fazer bullying digital com aqueles que são contra suas opiniões.

5- Social: é o usuário que utiliza o Twitter como uma rede de amizades, falar o que estão fazendo e saber sobre a rotina dos amigos.

via InfoMoney

1. Não viverás no mundo virtual, apenas farás incursões. Não substituirás o mundo real pelo mundo virtual.

2. Não venderás a alma para ganhar seguidores. Evitarás factóides e fugirás das polêmicas pelas polêmicas.

3. Não construirás de ti mesmo uma imagem fake no mundo virtual. Não manipularás as pessoas para que pensem de ti mais do que convém. Conscientemente constuirás tua identidade no mundo virtual.

4. Não te confundirás com o teu avatar. Não permitirás que tua identidade seja determinada pelo que dizem a teu respeito nos comentários das tuas postagens.

5. Não serás displicente, negligente e descuidado a respeito das fronteiras da tua intimidade. Cuidarás das dimensões pública (o que qualquer um pode saber), privada (o que apenas as pessoas com quem você se relaciona sabem), e íntima (o que apenas as pessoas para quem você revela sabem). Isso vale também para a vida dos outros.

6. Saberás claramente as razões porque estás presente no mundo virtual e utilizas as redes sociais. Não te tornarás o assunto das tuas mídias. Não falarás apenas de ti mesmo. Aliás, quase nunca falarás de ti mesmo. Oferecerás conteúdo.

7. Não protagonizarás barracos no mundo virtual. Não agredirás pessoas com fofocas, calúnias e difamações. Debaterás ideias, não pessoas. Não serás melindroso: lembre-se que quem fala o que quer, ouve o que não quer, inclusive bobagens. Não serás covarde, dizendo no mundo virtual o que não dizes olhos nos olhos.

8. Não plagiarás. Respeitarás os direitos autorais.

9. Não usarás as mídias sociais para destruir, mas para construir. Não serás apenas contra, mas dirás do que és a favor e farás propostas.

10. Não cairás na armadilha embutida na expressão “rede de relacionamentos”. Relacionamento virtual é uma contradição de termos.

Por Ed Rene Kivitz